Nervos cranianos

Introdução
 
Os nervos cranianos (NC) contêm fibras sensitivas e/ou motoras e correspondem à feixes de processos provenientes de neurônios que atravessam forames ou fissuras na cavidade do crânio, sendo originários do encéfalo*.
brain.png
I- Nervo Olfatório
 
Nervos olfatórios conduzem a sensação olfatória, são sensitivos.
Os receptores olfatórios estão no teto da cavidade nasal. O nervo emerge da lâmina cribriforme do osso etmóide- sinapse com neurônios secundários no bulbo olfatório.
Sintomas de lesão são anosmia e parosmia. Possíveis causas são rinite alérgica (a mais comum) ; TCE ; epilepsia (sintoma recorrente); neoplasias da base frontal (meningeoma) ; transtorno psicogênico.
No exame neurológico, deve-se identificar essências e aromas previamente conhecidos pelo paciente, tais como café, canela, cravo, etc.
 
 
II- Nervo óptico
 
Nervo sensitivo formado pelos axônios das células ganglionares da retina e que conduzem as informações visuais.
Emerge do canal óptico- quiasma óptico- trato óptico- corpo geniculado lateral do tálamo*.
Sintomas de alteração: redução/ perda da acuidade visual transtornos visuais diversos.
Causas de lesão: neurite óptica (isquêmica – diabetes?, infecciosa – Lues?, doença de Lyme?, fungos?, desmielinizante – esclerose múltipla?); glaucoma; atrofia óptica hereditária (doença de Leber); ambliopia por álcool-tabaco.
Exame neurológico: pedir que identifique letras, símbolos, números de uma distância de aprox. 5 metros, testar acuidade de cada olho separadamente testar o reflexo fotomotor
 
III- Nervo óculo-motor
 
Nervo motor para os mm retos superior, inferior, medial e oblíquo inferior do bulbo ocular e para o levantador da pálpebra superior.
Relacionado ao controle parassimpático para o m esfíncter da pupila e para mm ciliares do corpo ciliar.
O nervo óculo-motor sai da superfície anterior do tronco encefálico (TE) entre o mesencéfalo e a ponte.
Entra na margem anterior da parede lateral do seio cavernoso e sai da cavidade do crânio através da fissura orbital superior.
Sintomas na lesão: ptose palpebral, estrabismo divergente, midríase.
Possíveis lesões: vascular (diabetes, aneurisma das aa. cerebral posterior ou comunicante, hematoma extradural), neoplasia cerebral.
Testes: testar a motilidade ocular extrínseca, todos os mm. excetuando o oblíquo superior (IV) e o reto lateral (VI) são inervado por este par, testar o reflexo fotomotor
 
IV- Nervo troclear
 
Fornece inervação motora para o mm extrínseco oblíquo superior.
Origina-se no mesencéfalo e é o único NC a sair da superfície posterior do TE. Também emerge da fissura orbital superior.
Face dorsal do mesencéfalo- curva-se sobre o mesencéfalo- tenda do cerebelo- passa adiante na parede lateral do seio cavernoso.
Sintomas de lesão: incapacidade de fazer o globo ocular movimentar-se para dentro e para baixo.
A causa da lesão é bastante rara e os testes envolvem testar o m. oblíquo superior pedindo para o indivíduo movimentar o olho para dentro e para baixo.
ncm_03
V- Nervo trigêmeo
 
Nervo emerge da ponte por meio de uma pequena raiz motora e de uma grande raiz sensitiva:
    – É o principal nervo sensitivo geral para a cabeça.
As raízes entram na fossa média do crânio, passando sobre o ápice medial da parte petrosa do osso temporal .
Neurônios do gânglio trigeminal emitem nervos:
    – Nervo oftálmico. Também emerge da fissura orbital superior. Testar a sensibilidade da face e córnea.
    – Nervo maxilar. Emerge do forame redondo. Teste: tentar ver acima.
    – Componente sensitivo do nervo mandibular. Forame oval. Teste: Tentar contrair masseter e temporal, observar tônus e desvios da mandíbula.
As fibras da raiz motora são distribuídas para mm da mastigação, milo-hióideo, digástrico, tensor do véu palatino e do tímpano.
Causas de lesão: neuralgia trigeminal (dor recorrente com exame normal – geralmente associada a compressão vascular e sintomas começando após os 50 anos). Quanto mais precoce seu início maior a probabilidade de ser sintoma inicial de esclerose múltipla; neoplasias (neurinoma, meningeoma)
 
VI- Nervo abducente
 
Fornece informações motoras para o mm extrínseco reto lateral do bulbo ocular.
Emerge do TE entre a ponte e o bulbo- corre ao longo da a. basilar- perfura a dura-máter e segue longo trajeto no espaço subaracnóide- seio cavernoso do osso temporal- fissura orbital superior.
A hipertensão intracraniana é a causa mais frequente de lesão.
Sintoma mais comum é o estrabismo convergente (incapacidade para girar o globo ocular para fora).
A causa mais comum de lesão é a hipertensão intracraniana.
Testar a motilidade extrínseca do globo ocular. 
VII- Nervo facial
 
Sensitivo da gustação dos 2/3 anteriores da língua e do palato mole e sensitivo de toda orelha externa
Motor para os mm da mímica facial e outros…
Parassimpático para as glândulas submandibular e sublingual, glândula lacrimal e outras…
O nervo facial fixa-se à superfície lateral do TE, entre o bulbo e a ponte, consistindo em uma grande raiz motora e uma raiz sensitiva menor.
Fossa posterior do crânio- emerge do meato acústico interno- canal facial- fusão das raízes e formação do nervo facial.
Dependendendo do tipo de paralisia, todos os mm da mímica podem estar afetados, assim como a perda de gustação.
Acidente vascular isquêmico, paralisia de Bell, neurinoma e algumas síndromes podem causar lesão.
Teste: manobras que forcem o indivíduo a utilizar os mm. da mímica facial, por exemplo: enrugar a fronte, fechar os olhos, mostrar os dentes; observar a presença de assimetria; a parte parassimpática (gustação) é de difícil avaliação e raramente indicada.
VIII- Nervo vestíbulo-coclear
 
Nervo sensitivo que carrega duas divisões:
    – Componente vestibular para equilíbrio.
    – Componente coclear para audição.
Fixa-se à parte lateral do TE, entre a ponte e o bulbo- emerge do meato acústico interno- duas partes convergem-se na parte petrosa do temporal na fossa posterior do crânio.
Sintomas envolvem perdas do equilíbrio, redução da acuidade auditiva, observa-se nistagmo, quando o componente vestibular é afetado.
Teste: teste de Romberg (pedir para a pessoa fechar os olhos, erguer os braços e mantê-los estendidos) mostra paciente pendendo para um lado; pedir para a pessoa andar: há tendência para oscilar em direção ao lado com disfunção; testes de Rinne e Weber.
 
 
IX- Nervo glosso-faríngeo
 
Sensitivo da gustação do 1/3 posterior da língua e sensitivo global da mucosa da faringe, tonsila palatina, tuba auditiva e orelha média.
Sensitivo para pressão sanguínea e química do sangue (seio e glomo caróticos).
Motor do m estilofaríngeo.
Parassimpático para a glândula parótida e glândulas do terço posterior da língua.
Radículas emergem do bulbo e passam ântero-lateralmente para deixar o crânio através do forame jugular (gânglios superior e inferior do IX NC)- radículas fundem-se e segue m. estilofaríngeo para alcançar orofaringe.
Sintomas de lesão: dificuldade de mobilização da faringe/laringe; sua porção sensitiva é de difícil avaliação.
A causa mais comum é uma neuralgia desse nervo.
 
X- Nervo vago
 
Nervo misto e essencialmente visceral:
    – Sensitivo da parte inferior da faringe, laringe e órgãos torácicos e abdominais.
    – Motor para palato mole, faringe, mm intrínsecos da laringe, palatoglosso.
    – Parassimpático para as vísceras torácicas e abdominais.
Nasce do lado do bulbo por meio de uma série de radículas- emerge do forame jugular (deixa o crânio na companhia do glossofaríngeo e acessório)- pescoço, tórax, abdome.
Sintomas: dificuldade de mobilização da faringe, laringe, incluindo palato mole e pregas vocais.
Possíveis causas de lesão: causas vasculares, neoplásicas e infecciosas (difteria); traumatismo e acidentes cirúrgicos.
Teste: teste na náusea; ver mobilidade de cordas vocais
XI- Nervo acessório
 
Nervo motor para o palato mole e para a faringe (parte vagal) e para o m. esterno-cleido-mastóideo (ECM) e trapézio (parte espinal).
Suas raízes se originam em neurônios motores dos primeiros 5 segmentos cervicais da medula espinal.
Fossa posterior do crânio- emerge do forame jugular- desce o pescoço para inervar ECM e trapézio.
Sintomas na lesão: atrofia / paralisia dos mm. do ombro.
Possíveis causas: Trauma e neoplasia.
Teste: testar mm do ombro.
 
XII- Nervo hipoglosso
 
Nervo motor para mm extrínsecos e intrínsecos da língua mas também carrega fibras sensitivas para a dura-máter da fossa posterior do crânio.
Várias radículas nascem na face anterior do bulbo- emerge do canal do nervo hipoglosso- inervação dos mm.
Possíveis sintomas: mobilidade deficiente e atrofia; fasciculações.
Teste é simples e envolve pedir ao paciente para mexer a língua em várias direções.
Anúncios