O custo de uma vida salva

O conceito da pirâmide de Maslow é bastante interessante já que fornece informações sobre as necessidades básicas do ser humano em um ordenamento hierárquico. Assim, na base da pirâmide temos as necessidades fisiológicas – um conjunto de processos biológicos essenciais para qualquer indivíduo. Podemos citar como exemplos o ato de respirar; saciar o sono, a sede ou a fome; descansar, realizar sexo e manter-se em homeostasia. Em contrapartida, o ápice da pirâmide apresenta as necessidades vinculadas à auto-realização as quais perfazem distintos perfis e características individuais, sendo dependentes da criatividade, talento, aspectos educacionais, culturais e/ou religiosos.

Não é de se espantar que os aspectos relacionados à segurança estejam bem próximos da base da pirâmide de Maslow, localizando-se sobrejacentes às necessidades fisiológicas. Também são consideradas necessidades básicas mas que referem-se à proteção da família, da propriedade e da própria vida. Em um país que retém a lamentável posição de campeão de homicídios mundiais, a percepção de que nossa vida está em risco iminente é bastante rotineira e, obviamente, causa enorme preocupação para todos. Afinal, de que adianta matricular-se num curso de línguas ou planejar a próxima viagem se não sabemos se estaremos vivos ao final do dia?!

Por muitos anos, políticos, magistrados e a própria elite intelectual brasileira mostraram-se insensíveis aos anseios da população que clamava avidamente por maior segurança. As respostas costumavam ser superficiais, prolixas ou inócuas; e geralmente encobriam uma chaga facilmente observável na cultura e política nacionais – a bandidolatria explícita.

Diante de tal cenário, qual seria o preço de uma vida? Para dissertar sobre isso, recordo-me de um trecho de “Curiosidade Mórbida” de Mary Roach que intrigou-me por algum tempo. Ali estava apresentado o custo de uma vida calculado pelo Instituto Urbano em 1991, o qual envolvia uma cifra de 2,7 milhões de dólares. Na época, pensava ser uma quantia considerável. Agências de controle estrangeiras, como a Agência Ambiental dos Estados Unidos, apresentam valores bem superiores a fim de regulamentar medidas de segurança por pessoa vitimada por projetos que licencia, podendo chegar até 10 milhões de dólares, por exemplo. Para tanto, utilizam como valor de referência o curioso Valor Estatístico da Vida.

Veja bem, o valor de uma vida, aferido pelo governo, uma empresa aérea ou por uma companhia de seguros, por exemplo, apenas corresponde a um dado bruto. Trata-se de uma vítima e uma resposta deve ser fornecida a fim de se evitar novas tragédias, acidentes ou crimes. Para nós, é despropositado precificar a vida de outrem na frieza dos dados estatísticos. Tais valores não envolvem as diversas variáveis interpessoais e familiares envolvidas na morte de um ente querido. Afinal, partimos do pressuposto que a vida não tem preço. Cada indivíduo é um ser único, dotado de alma e livre-arbítrio; capaz de amar e ser amado; cometer grandes injustiças e maldades assim como conquistar diversas proezas e glórias; podendo produzir produtos insignificantes ou uma magnífica sinfonia. Como precificar algo que não pode ser mensurado?

Nesse sentido, é oportuno destacar um dado que não tem sido devidamente comentado pela grande mídia do país: a significativa redução da criminalidade deste ano se comparado a 2018. Os resultados são animadores! Entre janeiro e maio de 2019, houve redução de 10% no furto de veículos; 11,9% de estupros; 21,3% de homicídios dolosos; 38,4% de roubo a instituição financeira; 23,7% de latrocínio; 24,9% de roubo de carga, entre outros. Estima-se que no primeiro trimestre cerca de 3.600 vidas deixaram de ser ceifadas no país! Para o meu parco conhecimento, não existem dados acerca de vidas salvas/poupadas. Mas se houvessem, incluiriam redução de gastos com segurança; de cirurgias; de atendimentos médicos, fisioterapêuticos e psicológicos; de medicamentos consumidos; de absenteísmo no trabalho; de casos de depressão; de fuga de “cérebros” do país etc; e envolveriam bilhões de reais!

Esqueça redução do risco-país, abertura do mercado ou superávit primário. São assuntos pertinentes sim, é claro!, mas nada comparável ao impacto de milhares de vidas brasileiras que foram poupadas neste curto intervalo de tempo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s