A Embriologia Divina

Dr Rodson Ricardo Souza do Nascimento

“Pois Tu formaste o meu interior; Tu me teceste no ventre de minha mãe. Darei graças a Ti,
porque de um modo assombroso e maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha
alma o sabe muito bem. Minha estrutura não estava escondida de Ti, quando fui feito em segredo e habilmente forjado nas profundezas da terra; Seus olhos viram minha substância informe; e no teu livro foram escritos todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia um deles.

(Salmos 139, 13-14)

INTRODUÇÃO

Em breve o mundo cristão celebrará mais um Natal. Qualquer um que tenha segurado um bebê recém-nascido não pode deixar de se surpreender com o quão incrivelmente delicados, mas intricadamente estruturados, os recém-nascidos são. Dedos das mãos e pés tão pequenos, feições tão delicadas! Ainda mais notável é como tudo isso é reproduzível: o delicado florescimento da vida humana foi replicado bilhões de vezes em todo o planeta. Esse profundo sentimento de admiração impulsiona os biólogos do desenvolvimento – cientistas que buscam entender como cada um de nós começou como embriões.

Na Grécia e Roma antigas, havia pouca consideração pelos nascituros ou recém-nascidos. Mesmo os escritores mais ponderados da época – Platão, Aristóteles, Cícero e Sêneca – defenderam as práticas de aborto e infanticídio. O contraste com o cristianismo primitivo dificilmente poderia ser maior. O texto cristão a mencionar o aborto e o infanticídio é do autor anônimo do Didaquê, escrito entre o primeiro ou início do segundo século: “Não matarás uma criança por aborto nem a matarás depois que ela nascer” (Didaquê 2:2). O mesmo ensinamento é encontrado na carta de Barnabé, nos escritos de Tertuliano e em muitas outras testemunhas cristãs primitivas. Matar um nascituro parecia contradizer a aceitação da vida como um dom de Deus, a preocupação cristã com os mais fracos e vulneráveis e, não menos importante, as implicações de Deus se encarnar como um nascituro no ventre do Virgem Maria. Os cristãos não basearam sua preocupação com os nascituros com base em um único texto de prova das Escrituras. Pelo contrário, tudo parecia apontar no sentido de proteger a criança em embrião como uma lembrança do nascimento de Cristo.

A EMBRIOLOGIA DIVINA

O Evangelho de Lucas é o único que contém memórias da concepção e infância de Jesus. Há uma tradição da Igreja que diz que isso aconteceu porque ele incorporou as memórias de Maria à sua exposição. Nas narrativas lucanas sobre a concepção de João e Jesus, a ênfase repetida recai sobre os úteros de Isabel e Maria e suas funções reprodutivas. A grandeza de Nossa Senhora é reconhecida por sua prima Santa Isabel, a quem ela foi visitar “com pressa” (Lucas 1, 39-56). É o encontro de duas primas, de duas amigas, de duas mães que vivenciam um milagre. Não foi fácil este encontro. A jovem Maria precisou viajar aproximadamente 95 milhas de Nazaré até a casa de Isabel em Ein Karem, cerca de uma milha a oeste de Jerusalém. Era uma jornada perigosa que levava entre três e cinco dias para alguém jovem, em forma e acostumado a andar. Santa Isabel saudou a Mãe Santíssima com as palavras: “Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre. E de onde me vem isto, que a mãe do meu Senhor venha a mim?” (Lc 1.42-43). Nesta saudação, Santa Isabel reconheceu a presença do embrião de cinco a seis dias (ou blastocisto) que era Senhor e Deus. A atividade de João é resultado de sua sensibilidade pré-natal ao Espírito da Deus. São João Batista, o nascituro ainda no ventre de Santa Isabel, saltou de alegria ao reconhecer o embrião divino.

A embriologia humana é a área que estuda a formação do indivíduo desde o momento em que os gametas se encontram — a fecundação —, até o ponto em que o bebê está pronto para nascer — o parto. Hoje sabemos que o desenvolvimento de um novo ser humano passa por diferentes fases: clivagem, gastrulação e organogênese. O período em que ocorre a organogênese é a mais longa fase gestacional: se inicia na 9ª semana e se estende até o momento do parto. É conhecido como fase fetal.

Os judeus acreditavam que o feto era capaz de responder a estímulos externos. Parte da tradição rabínica posterior chegou inclusive a afirmar que os bebês eram capazes de pensar, cantar e realizar outras ações enquanto ainda estavam no útero. Mas a noção de que as células são os blocos de construção dos embriões levaria um milênio para ser descoberta; mas o salmista entendeu que o desenvolvimento é um processo ordenado: como um mestre tecelão movendo um tear, formar um organismo integrado a partir de partes mais simples requer movimentos de extrema precisão. Construir o embrião é um desafio impressionante: cada um de nós começou como uma única célula menor do que o ponto no final desta frase. Eventualmente, essa única célula dá origem a cinco trilhões de células no nascimento, especializadas e arranjadas para formar nossos minúsculos corpos.

O desenvolvimento confiável depende de dois processos fundamentais. Um deles é chamado de diferenciação — como as partes do embrião se tornam diferentes umas das outras. A orelha é diferente do dedo, que é diferente do olho. A diferenciação depende crucialmente de proteínas reguladoras que agem como interruptores genéticos. Quando uma célula produz um determinado conjunto dessas proteínas, toda uma série de genes é regulada. A diferenciação não é suficiente, no entanto. Alguma montagem é necessária! O ovo fertilizado divide-se em duas células, duas em quatro e quatro em oito, assemelhando-se a um cacho de uvas solto sob o microscópio. Em seguida, as células do embrião produzem sua própria cola molecular: proteínas que o meu “laboratório” investiga e que permitem o desenvolvimento posterior.

Então a morfogênese, literalmente a “gênese da forma”, começa. A movimentação de células para novos locais é um projeto de auto-construção de escopo impressionante e outro interesse de longa data do meu grupo de pesquisa. Depois de mais divisões celulares, as células internas, que meses depois formarão um bebê, se separam em camadas à medida que o plano básico do corpo emerge. Uma folha plana de células na parte de trás do embrião então se enrola em um tubo, eventualmente formando o cérebro embrionário e a medula espinhal. Outros sistemas de órgãos se formam à medida que o feto cresce, cada um por meio de um fascinante processo de diferenciação e morfogênese. De fato, feito com medo e maravilhosamente!

Nossa compreensão moderna do desenvolvimento embrionário leva a questões desafiadoras. Para mim, os detalhes biológicos são uma nova oportunidade de ver Deus trabalhando. Como disse o teólogo do século 19 Charles Kingsley: “Devemos reverenciá-lo menos ou mais, se ouvirmos que Seu poder é maior, Sua sabedoria é mais profunda do que jamais sonhamos? Sabíamos antigamente que Deus era tão sábio que podia fazer todas as coisas: mas… Ele é muito mais sábio do que isso, que pode fazer todas as coisas se fazerem a si mesmas”.

Um terceiro desafio é o tamanho minúsculo do embrião. Muitos são tentados a pensar que nosso tamanho diminuto implica em significado diminuído. Por isso alguns acham que os embriões humanos são apenas coisas que podem ser facilmente usadas e descartadas. O Salmo 139, que abre esse texto, diz o contrário: não há lugar para onde o salmista possa ir, inclusive antes de seu nascimento, onde Deus não tenha estado. Para o salmista, Deus ordenou o processo de auto-criação. Deus estava superintendendo a formação do corpo do salmista, até os sistemas de seus órgãos!

Para nós cristãos, um recurso teológico adicional para pensar sobre os embriões é o mistério da Encarnação. O Credo dos Apóstolos diz que Jesus “foi concebido pelo Espírito Santo” e “nascido da Virgem Maria”. Entre esses dois eventos está o processo de desenvolvimento embrionário. Isso sugere uma noção profundamente pessoal: a segunda pessoa da Trindade dignificou o desenvolvimento embrionário – inclusive o seu e o meu – ao assumi-lo na vida divina. Para os cristãos, então, o mundo do embrião é um mundo verdadeiramente “cheio de maravilhas”!

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Na época de Nossa Senhora e Santa Isabel, ninguém sabia sobre embriões: o desenvolvimento da vida mais tarde no útero também não era bem compreendido. Agora que temos esse conhecimento, graças à aplicação de nossa inteligência dada por Deus e graças ao árduo trabalho de estudo científico, é importante que reconheçamos a pessoa divina de Cristo desde o primeiro momento de Sua concepção. A concepção do Verbo feito carne como embrião unicelular em Nazaré é o ponto de virada de toda a história humana. Hic verbum caro factum est – “Aqui o Verbo se fez carne”. Adoremos a Nosso Senhor Jesus Cristo e veneremos a sua Santa Mãe, Maria Santíssima. Amém.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s