Problematizaram a pós-graduação…

Foi o meu exímio Professor de Latim e poliglota – Rafael Vale – que me explicou a etimologia do termo demagogia. Esta palavra, onipresente na política brasileira, é originária da Grécia antiga e denota algo similar à “arte ou poder de conduzir o povo”. Assim, δημαγωγία (lê-se algo como agogéus) representaria a junção de duas palavras: δημος, que significa “povo”; e αγωγευς, originária dο verbo αγω, que significa “agir”. Após breve estudo, nota-se que nos primórdios o termo possuía uma conotação positiva mas, a partir de “A Política” de Aristóteles, demagogo passou a ser empregado como alguém que corrompe a democracia, principalmente por referir-se àquele orador que supostamente fala em nome da população menos afortunada e, frequentemente, manipula as massas com promessas vãs, apelativas ou fantasiosas.

Diferentemente de notórios demagogos como Cleón e Alcebíades, o demagogo moderno não conduz a guerras de resultados desastrosos e imprevisíveis. Esses indivíduos buscam meramente sinalizar virtuosismo para os demais e, principalmente “transformar” o mundo conforme sua visão superficial e míope.

Recentemente deparei-me com um exemplar típico dessa categoria ao participar de uma reunião de pós-graduação em minha instituição. Após uma singela fala sobre experiências que privilegiam o mérito e citar que a pós-graduação exige demandas e sacrifícios que não se oferecem a todos perfis, fui deselegantemente presenteado com um discurso virulento, porém inócuo, repleto de expressões como “quero um aluno que questione e que seja diferente de mim”, entre outras falas desprovidas de real significado… Além disso, o professor-lacrador em questão reiterou que a “instituição é pública e que deve se abrir para qualquer um” e que “bolsas oferecidas devem ter um cunho social”. Finalmente, o indivíduo citou que “é um absurdo ouvir isso numa plenária” e que, dessa maneira, pediria (infantilmente) “descredenciamento do programa”.

Sim meus amigos, problematizaram a pós-graduação… É certo que o recorte das falas acima possivelmente sinaliza um demagogo-jacobino, aquele incapaz de dialogar e expressar pragmaticamente sua posição numa pacífica reunião sem que se evidenciem seus arroubos autoritários. Assim sendo, venho aqui explicitar minha humilde posição a fim de enriquecer o debate sobre tão interessante assunto.

A graduação visa formar profissionais generalistas

Parece “chover no molhado”, mas sempre é prudente relembrar que o objetivo de uma graduação, seja bacharelado ou licenciatura, é formar profissionais capacitados para o mercado de trabalho. Assim, o curso de medicina busca formar médicos, a engenharia química visa formar engenheiros químicos, assim como a educação física objetiva formar professores de educação física. Pode ser que alguns profissionais mudem sua área de atuação por n motivos. Assim como é possível que desejem, a priori, obter conhecimento aprofundado em algum tema e, para tanto, a pós-graduação stricto sensu pode ser um caminho natural. Mas, como pode ser visto no esquema abaixo, elaborado para o curso de fisioterapia, a maioria dos egressos de graduação não opta, pelo menos inicialmente, pela superespecialização. Isto porque simplesmente querem exercer sua carreira de escolha! E se optam tardiamente pela pós-graduação, deve-se a satisfazer íntima realização pessoal.

IMG_2040

É preciso ressaltar que a vocação (do latim vocare, ou chamar) é um chamado ou um dever de ordem pessoal e social e, como já foi evidenciado pelo filósofo Olavo de Carvalho em artigo de 2000, não pode ser “substituída pela mera busca do emprego, visto apenas como meio de subsistência e sem nenhuma importância própria no que diz respeito ao conteúdo”.

A pós-graduação exige demandas e sacrifícios

Mas num país com 14 milhões de desempregados (dados referente a maio de 2018), as bolsas de pós-graduação oferecidas proporcionam uma alternativa rápida para sanar as pendências financeiras do recém-formado. Apesar de não haver reajustes desde 2013, mestrandos recebem R$ 1.500,00, doutorandos R$ 2.200,00 e pós-doutorandos R$ 4.100,00, o que ainda sinaliza somas bem superiores ao salário-mínimo para o jovem profissional. No Rio Grande do Norte, a CAPES registrou 36 cursos de pós-graduação stricto sensu em 2015, perfazendo pouco mais de 2.000 bolsas de um total de 100.000 bolsas de estudo no Brasil. Claramente, o número exíguo de bolsas, se comparado ao número anual de inscritos nos programas de pós-graduação, proporciona que alunos de diversos perfis se organizem para uma severa competição natural pelo mérito acadêmico, tendo como meta a remuneração instantânea de uma bolsa de estudo. O objetivo torna-se puramente financeiro e a vocação é relegada a segundo plano.

Num mundo competitivo em que o imediatismo é regra, o jovem se esquece que é preciso ter paciência, resiliência e que, investir em sua carreira pode proporcionar remunerações superiores no médio prazo e garantir plena realização profissional.

Mas digamos que a vocação e o perfil do aluno sejam compatíveis com a pesquisa e carreira docente, muitos jovens podem até não ser contemplados com financiamento devido ao número restrito de bolsas e pelo mérito acadêmico. Ainda, não se pode excluir a hipótese de que conferir bolsas estritamente por cotas sociais pode, por sua vez, causar profundas distorções na pós-graduação e fulminar o mérito acadêmico como característica precípua para admissão.

Além disso, os ingressantes devem ter em conta que o tempo médio de duração de mestrado / doutorado pode reivindicar 5-6 anos de uma vida acadêmica abnegada. Muitas vezes, o perfil dos alunos não se adequa às caraterísticas do trabalho, às cobranças e exigências científicas e muitos podem, inclusive, apresentar sérios transtornos de saúde mental. É sabido que pós-graduandos podem exibir índices de estresse e ansiedade superiores a outras classes profissionais, como pode ser visualizado na figura abaixo, retirada de um estudo de 2013. Apesar disto, as causas para tal fenômeno não estão completamente esclarecidas.

estresse
Retirado de http://www.anpg.org.br/estresse-e-depressao-na-pos-graduacao-uma-realidade-que-a-academia-insiste-em-nao-ver/ em 30/05/2018.

Mas então, a pós-graduação é para todos?

Genericamente, diria que “a pós-graduação é para todos, mas nem todos são feitos para a pós-graduação”. Vejam bem, isto é válido para qualquer profissão ou atividade laboral!

Mas neste caso específico, o candidato deve considerar que o salário médio mensal de um doutor é de R$ 13.861, remuneração acima da média dos brasileiros sem tal titulação – R$ 2.449. Geralmente, os profissionais inserem-se em instituições e autarquias do Estado, mediante concursos públicos, enquanto o número de inserções na iniciativa privada é incipiente. Entretanto, o número de doutores desempregados também é alto (sugiro a leitura do excelente ensaio de Hugo Fernandes Ferreira: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/exercito-de-doutores-desempregados-brasil.html) e a titulação por si só não é garantia (e nem deveria ser!) de pleno emprego.

Finalmente, a expansão da pesquisa e inovação científica é uma estratégia fundamental para o desenvolvimento do país; e a instituição pública é e deve sim ser aberta para todos! No entanto, os interessados devem planejar com cautela e ter em mente as considerações da área, suas especificidades e os sacrifícios pessoais que são necessários para ingresso e sucesso nessa carreira e, antes de mais nada, buscar aquilo que Viktor Frankl considera como o sentido para a (sua) vida! Que fique essa reflexão; e sem demagogia…

Em tempo: apenas 0,5% da população tem acesso (ou optam) pela pós-graduação.

Dr. Bento J Abreu

Editor do site, professor, pesquisador e interessado em assuntos atuais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s